terça-feira, novembro 11, 2008

Blá, blá, baby

Eu adoro ouvir conversas alheias. Primeiro que eu sou mulher, a criatura mais curiosa que existe, e segundo que sempre tiro algo que preste de cenas e/ou conversas dos outros (vai que algum dia eu consigo escrever uma crônica tão linda quanto à dos negros no boteco, do Sabino. Né?).
Pois bem, estava eu almoçando (sozinha, pra variar) na praça de alimentação que fica no prédio em que moro e, pasmem, ouvi uma conversa inteira da mesa ao lado.
Sentados 'tavam uma guria e um cara, provavelmente amigo dela. Eram um tanto mais velhos que eu, no mínimo uns cinco anos, e usavam roupas meio formais; era intervalo do almoço.
Ela tagarelava sem parar, 'tava contando do fim de semana na praia (curiosamente a praia era Bombinhas, pra onde eu vou nos finais de ano) com amigos. Tudo bem, normal. Até que ela começou a "detonar" as amigas dela; fulana era bêbada, cicrana 'tava acima do peso, beltrana era uma folgada. Se eu já 'tava tomando as dores das outras nesse momento, você não imagina como fiquei quando a venenosa começou a falar de um tal de Ricardo.
Esse Ricardo provavelmente é o cara de quem ela gosta, em quem ela deve ter ficado se jogando durante toda a viagem. Enfim, diz que o tal do Ricardo insinuou que uma amiga deles 'tava tão gorda que parecia grávida. E riu. Sim, a cobra riu com maldade, com os olhos vermelhos, riu da própria amiga.
Não sabia qual era o pior, se a falseta ou o tal do Ricardo, que conseguiu ser extremamente grosseiro com uma mulher. Resolvi terminar minha coca-cola em casa e me mandar do restaurante, antes que eu me estressasse (mais) com uma conversa que não era nem pra eu ter ouvido.
Sabe por que eu me irritei? Porque eu tenho nojo de gente falsa.
Não vou ser hipócrita e dizer que nunca falei mal de alguém na vida. É claro que eu já falei, mas 99,9% das vezes em que fiz isso, não foi em pessoas que eu considero amigas que eu jorrei veneno.
A conversa que eu ouvi hoje sintetiza perfeitamente o medo que sinto de me relacionar com as pessoas. Pode crer que, fora a tua mãe, ninguém no mundo vai sempre desejar o melhor pra você; que, como o Dalton Trevisan diz, as relações são todas baseadas no vampirismo, que as pessoas têm interesses (no mau sentido), que sempre alguém vai tomar no cu.
Claro que, como a Lei de Murphy é infalível, eu sempre sou o alguém que toma no cu. Se alguém aí conhece um bom spray de alho que possa ser espirrado nessa vampiraiada, me avisa. Pago um bom preço.

4 comentários:

Thomas disse...

ma, como você é pessimista :o
eu acredito nas pessoas, não sei se é um defeito ou uma virtude, vc mesma já disse que eu acho todo mundo bonzinho, claro que não, tem mta gente kobra e tem mta gente legal também, o bom é que ninguém consegue manter o 'disfarce' todo o tempo, acho que esse lado 'duas caras' se é que assim posso dizer faz parte do ser humano e, é assim, sempre foi e sempre vai ser. Mas dai dizer que todas as relações são baseadas no vampirismo acho demaissss hauhaua
bejão! ;***

tatiana disse...

Eu não acredito em maniqueísmo. Ninguém é bom ou ruim, todo mundo carrega dentro de si os dois lados. No caso dessa imbecil que falava mal das amigas, por ex., é bem provável que o lado ruim apareça com mais freqüência. Mesmo assim, sou burra e tenho fé na humanidade, hahahaha. Escrevi algo nesse sentido certa feita - pra mim, até o mais cretino dos seres humanos tem algo de bom a oferecer. De vez em quando me fodo por pensar assim, mas que se puede hacer? :)

Beijo, Ma!

Bill disse...

É o mundo está cheio de pessoas assim, as que menos esperamos... as vezes...

Mas eu já nem ligo, tenho do meu lado as unicas pessoas que me suportam e assim sei que são realmente amigos x)
Não sou de ficar guardando para falar depois, gosto de tudo resolvido o mais rapido possivel...

Mas essa dona ai... merece morder a lingua para morrer com o proprio veneno x)

:**

Walkyria Tavares disse...

ah, é fato que estamos rodeados/cercados de pessoas venenosas e falsas quase que por natureza, mas também existem as pessoas que conseguem ser muito verdadeiras e transparentes. Eu acredito plenamente na sinceridade, amizade, lealdade. Talvez eu só tenha tido a sorte de ter junto a mim pessoas tão diferentes da grande maioria. (: