quinta-feira, agosto 19, 2010

Pelo direito de dormir

São Paulo, Atlético Paranaense, Sport Club do Recife. Praticamente todos os times de futebol que odeio, eu odeio por causa da torcida – com exceção do Corinthians, já que ódio por ele é algo que já nasce no coraçãozinho de qualquer palmeirense. Ontem, o Internacional de Porto Alegre entrou pra essa lista.
Não rola essa raiva só porque meu professor de Penal III (gremista fanático) prometeu 0,5 ponto pra cada aluno da turma caso o Chivas ganhasse a Libertadores da América, uma vez que ele diz acreditar em pensamento positivo (ou negativo?) e contaria com o nosso para que o time mexicano fosse campeão (haha). Rola essa raiva porque moro na esquina da Avenida do Batel aqui em Curitiba e ontem de madrugada um bando de colorados resolveu se instalar em frente ao shopping Crystal e tocar o horror.
Não sei a que horas a zona começou, só sei que acordei 1h30 com ela já instaurada e até eu conseguir pegar no sono de novo, lá pelas 2h40, ela ainda estava montada. Tambores, vuvuzelas, buzinas, muitos gritos e gente no meio da rua se jogando na frente de carros que não tinham NADA A VÊ com aquilo tudo. Nesse tempo em que fiquei acordada liguei pro 190, não sendo atendida em nenhuma das vezes em que telefonei. Quer dizer, e se tivesse acontecendo uma coisa realmente séria aqui na frente da minha casa? Como esse mesmo professor de Penal diz, enquanto deveríamos investir um bom tanto de dinheiro na polícia científica, investimos tudo na polícia militar, e pelo jeito nem assim ela funciona.
Provavelmente essa bagunça ocorreria se qualquer time relativamente grande brasileiro fosse o campeão das Américas. O que me deixa com raiva em um primeiro momento não é o time que “causou” isso - nem o fato de ver um time que não é o meu ganhar um campeonato desse nível me deixa (muito) irritada -, mas sim essa falta de respeito de algumas pessoas com as outras. E ontem quem mostrou essa falta de respeito foram os torcedores do Internacional – claro que ver o CELSO ROTH ganhar uma Libertadores incomoda um pouco, mas, né.

3 comentários:

tatiana disse...

O que é mais tosco, eu me pergunto: ter banda cover de Raimundos em 2010 ou fazer fervo (hahaha) na Batel em 2010? É triste, viu.

PS#1: esse professor é o Guarani?
PS#2: que doçura o seu comentário no meu último texto mimizento! Obrigada, petite! =)

tatiana disse...

O Sanz, que bacana! Na minha época era professor só de optativas - fiz as duas. Ele é muito mais maneiro (HAHAHA, estou me superando) que o Guarani. :)
Enfim. A Curitiba continua sendo meio maldita, hahaha.

Beijos, comadre!

Claudio disse...

Pô, quando o Corinthians ganhou a copa do Brasil-sil-sil, ano passado, um vizinho (que sempre teve a mãe na zona, e por isso ficou mal educado) estourou um rojão que estourou uma lajota da minha casa. Ou seja, pessoas sem noção vestem todas as camisas. Maaaas se o Chivas tivesse vencido a Libertadores (coisa que torci mesmo), ninguém precisaria aguentar a babaquice alheia.