terça-feira, junho 16, 2009

El amor en los tiempos del cólera

Catarina não vivia paixão como essa há algum tempo (desde os 14 anos, para ser mais exata). Paixão do modo como ela deve ser mesmo: um sentimento louco, que faz encolher a barriga até as costelas aparecerem, arrepiar os pelinhos do braço, reconhecer o cheiro da pessoa no meio de outras mil.
Não era o tipo de paixão que ela vinha vivendo ultimamente, de primeiro olhar para os gostos da pessoa, ver se poderiam discutir Star Wars por horas a fio, se poderiam dividir um livro da García Márquez. Não. Era paixão sem colocar Mestre Yoda ou Aureliano Buendía algum no meio. Era paixão de querer ensinar as coisas a ele, de conhecer os nós dos dedos, de deitar na grama do Jardim Botânico num sábado de sol. Paixão que faz as coisas mais bregas do mundo parecerem um Pollock.
Pela primeira vez em muitos anos, Catarina vivia uma paixão sem olhar para si mesma primeiro. Era paixão de olhar pra ele. Só para ele.

3 comentários:

tatiana disse...

Transmita a Catarina meus sinceros votos de boa sorte.

;)

Claudio disse...

Belíssimo texto. Descrição perfeita de um amor sem idealizações, desses que ninguém sonha em sentir. Não é daqueles romantizados e banalizados, mas o amor como é, ou como deveria ser. E pow, quem não queria ter uma Catarina como essa? hehe. De novo, belo texto!

=**

onomatopoepic disse...

I got a flask inside my pocket, we could share it on the train
And if you promise to stay conscious I will try and do the same

We might die from medication, but we sure killed all the pain.