quarta-feira, abril 18, 2007

coração de manteiga

Bêbada. Completamente bêbada. Ria numa histeria louca, caiu inúmeras vezes e não conseguiu tirar a roupa dele.
Os porres de emoções naquela semana foram muitos, amava a todos com uma intensidade incrível, como se estivesse virando dez garrafas de tequila de uma vez só.
Chorava, falava palavrões e cuspia no espelho, roía as unhas e não lavava o cabelo.
Olhava para o sofá e ele ainda estava lá, esperando, esperando, esperando.
O que ela tinha na cabeça?
Na cabeça eu não sei, mas no coração um emaranhado dos mais esquisitos.

3 comentários:

poeta quebrado disse...

querida, acho que não é do meu feitio deduzir que os outros acham o que sai de mim realmente fantástico.. afeta? não entendo, mas sem dúvidas me afeta até o coração dos ossos.

adorei este post teu, também.
lindíssimo, vivo.
faz até falta.

dois beijos no ego.

Bill disse...

Loucura em pequenas doses... Delírios em grande escala...
Emaranhado de fios coloridos, mistura de cores que cria um caos...

Beijos dona moça e ótimo fim de semana..

:*

tatiana disse...

Tem dias que tudo tem uma intensidade louca e parece mais vivo, mais presente ou qualquer coisa assim. Difícil de explicar, mas fácil de sentir.
Vai ver, é assim com todo mundo. Ou só com os (a)normais. ;)

Un beso, chiquita.